Quando adquirimos nossa primeira câmera e tentamos entender como funciona, nos deparamos com algumas palavras que nem sempre sabemos o significado e muito menos para que serve aqueles botões ou configuração. Ficamos perdidos em meio a tantos termos técnicos e ficamos pensando… Fotografia é tão difícil assim?

Não, não é. E qualquer pessoa pode tirar fotos incríveis estudando e treinando os conhecimentos adquiridos. Claro que para ser um profissional da fotografia precisamos estudar muito, mas, podemos melhorar nossas fotos de fins de semana ou da viagem de férias.

Por isso, neste post vou esclarecer algumas dúvidas em relação à ISO, Obturador e Diafragma.

Vamos viajar no conhecimento comigo?

ISO

Na maioria das câmeras fotográficas digitais você encontra a descrição ISO.
Mas, você sabe o que é ISO?

O ISO é a sensibilidade à luz do sensor.

Com o ISO alto, a sensibilidade do sensor aumenta e então é necessário menos luz para capturar uma imagem. Parece fácil, mas não é tanto, pois cada situação pode exigir mudança no obturador e no diafragma, que explicarei mais abaixo.

Cuidados ao aumentar o ISO para fotografar: quanto maior, mais ruídos, ou pontinhos granulados, estarão presentes na foto. Isso significa que a nitidez diminui conforme o ISO aumenta. Por isso é importante ter muito cuidado ao aumentar muito o ISO de sua câmera.

Em geral, é indicado que não realizem alteração na sensibilidade da luz nas câmeras, mantendo o ISO em seu padrão de fábrica. Entretanto existem situação que, para manter a fotografia boa, é necessário fazer a alteração, aumentando o ISO.

Geralmente essas situações são apresentadas em cenários escuros, onde não é permitido acender luzes, nem utilizar o flash e que as imagens precisem ser fotografadas rapidamente, não sobrando tempo para poder alterar o diafragma e obturador.

O ISO considerado normal é o 100, podendo aumentar para 200, 400, 800 e por aí vai. Uma explicação mais técnica de quando aumentar o ISO é uma situação com pouca luminosidade, sem tripé, com o objeto principal da fotografia estiver em constante movimento e o obturador em grande velocidade.
Em outras palavras, geralmente o fotógrafo se apresenta a uma situação dessas já sabendo da possível mudança no ISO.

Apesar de pouco influenciar no dia-a-dia do fotógrafo, é importante possuir um pouco de conhecimento sobre o ISO. Isso pode ser o diferencial de uma boa fotografia em uma situação adversa.

Obturador

Se o ISO modifica a sensibilidade à luz do sensor, o obturador é o responsável por controlar o tempo de exposição à luz que o sensor terá durante a fotografia. Isso porque quanto mais tempo o sensor ficar exposto à luz, mais clara será a fotografia.

O obturador funciona como uma espécie de cortina que fica atrás da lente da câmera. Para a luz ser captada pela máquina fotográfica é necessário que essa “cortina” se abra.

Os tempos de exposição, como são conhecidas as medidas do obturador são muito variados, sendo divididos em velocidade alta, média e baixa. Confira abaixo:

Altas 
1/8000, 1/4000, 1/3200, 1/2500, 1/2000, 1/1600, 1/1250, 1/1000, 1/800,1/640, 1/500, 1/400, 1/320, 1/250;
Médias
1/160, 1/125, 1/100, 1/80, 1/60, 1/50, 1/40, 1/30
Baixas
1/25, 1/20, 1/15, 1/13, 1/10, 1/8, 1/6, 1/5, 1/4, 1/3, ½ 1, 2, 5, 10, 30.

Esses números simbolizam o tempo, sendo que o número 1 antes da barra equivale a um segundo. Ou seja, 1/100 significa que o tempo de exposição será de 0,01 segundo. Já na velocidade baixa é possível manter o obturador aberto por alguns segundos.
Algumas câmeras permitem clicar uma primeira vez para abrir o obturador e uma segunda para fechá-lo. Quanto maior o tempo de exposição da foto, mais lenta é a velocidade do obturador.
O tempo de exposição está diretamente relacionado com a quantidade de luz disponível, então para fotografar em um dia ensolarado, o ideal é diminuir o tempo de exposição. Deste modo as chances de perder a fotografia é mínima.

A velocidade do obturador também pode ser utilizada para outras técnicas, como tirar uma foto “tremida” ou uma fotografia com sombra de algo que está em alta velocidade.
Exemplo são as clássicas fotos de corrida da Fórmula 1, onde é possível ver o “rastro” do carro. Isso acontece porque, ao diminuir o tempo de exposição, fotografamos o objeto em mais de um local, já que ele está em movimento.

Caso tenha uma câmera com a possibilidade de mudar a velocidade do obturador, pegue-a e fotografe os carros na rua, sempre diminuindo de um por um o tempo de exposição. Verá o resultado de imediato.

Veja na imagem abaixo, as diferenças entre fotos tiradas por algumas configurações de  velocidade do obturador simulando uma pessoa correndo.

Note que na velocidade 1/1000 a imagem “congela”, ficando bem nítida, já na velocidade 1/4, a imagem fica “borrada” dando a sensação de movimento do objeto fotografado.

Em termos mais simples, o obturador serve para para congelar a imagem, visto que quanto menor o tempo de exposição maiores são as chances de capturar a imagem com o objeto parado. Mas vai da técnica do fotografo decidir como vai usufruir desta função.
Diafragma

O diafragma é basicamente o diâmetro de abertura da lente das câmeras fotográficas.

Quanto mais aberto, mais luz chega ao sensor; quanto mais fechado, menos luz. É bem simples seu funcionamento, mas exige muito conhecimento para dominar suas técnicas com maestria.

A medida do diafragma é conhecida como f/números e é feita através de uma série numérica, com uma sequência padrão:

f/1.4
f/2
f/2.8
f/4
f/5.6
f/8
f/11
f/16 
f/22  
f/32

Quanto menor o número, mais o diâmetro de abertura do diafragma. Logo quanto maior o número, menos luz passa pelas lentes da câmera.
De maneira primitiva, é possível afirmar que o diafragma é responsável pela mudança manual na claridade de sua fotografia. Mas não apenas isso, o diafragma está ligado a outras características da fotografia.
Apesar de as câmeras possuírem em suas lentes o controle do foco, que é dar maior nitidez para um determinado objeto na fotografia, alterar a abertura do diafragma também pode modificar o foco de local.

Veja na imagem abaixo as diferenças na foto entre diversas configurações de aberturas.


Note que a configuração do diafragma em f32, temos uma pequena abertura, onde irá passar pouca luz pela lente da câmera, enquanto que na configuração f1,4 a abertura é bem maior, entrando muito mais luz pela lente.

Como dito, apesar de ser bem simples, o diafragma interfere diretamente em sua fotografia. Um simples descuido pode queimar ou escurecer sua foto. O ideal é aprender a trabalhar o diafragma junto com o obturador, pois um depende do outro.

Algumas pessoas apelidam o diafragma de íris da lente, por ser semelhante a um olho humano. Outra função importante do Diafragma é controlar a profundidade de campo.

Agora que você já tirou algumas dúvidas em relação à ISO, Obturador e Diafragma, é só colocar em prática e treinar bastante, pois como eu disse no post 10 dicas para fotografar melhor em suas viagens, quanto mais treino, melhor conheceremos nosso equipamento.

Até o próximo post.
Se gostou dessa matéria, compartilhe com seus amigos.

 

 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorPraia dos Carneiros – PE
Próximo artigoNa natureza selvagem
Apaixonado por games, filmes, parques de diversões, tecnologia, aventuras, fotografia e claro, viagens.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here